O estoque, ao mesmo tempo em que é um dos ativos mais importantes de uma empresa, também é um dos mais delicados, requerendo maior atenção. É através do estoque que uma empresa recebe insumos para produção, armazena peças de reposição e manutenção de equipamentos e despacha produtos comercializados. É um setor de enorme importância e se mal gerido pode trazer sérios problemas.

Uma das principais questões é o famoso “pecar pelo excesso”, ou seja, manter estoques grandes demais para não correr riscos de ficar desabastecido. Essa prática gera custos com espaço de armazenagem, aumenta o risco de deterioração e danos, ocasiona perda de valor por obsolescência, imobiliza capital de giro e aumenta o prejuízo em caso de roubos.

Outro grande erro é manter uma quantidade pequena demais de produtos no estoque para tentar evitar os problemas que o excesso de produtos pode gerar. Através dele corre-se o risco de desabastecimento (stockout), máquinas paradas por falta de peças de reposição, produção parada por falta de insumos e vendas paradas por falta de produtos.

Ainda existem outros problemas significativos, como falhas de controle que geram inconsistência no registro de quantidades, falhas de armazenagem que geram danos ou deterioração, riscos de segurança e até falhas de manutenção de estrutura (veja nesse vídeo o prejuízo que essa empresa sofreu devido à uma falha no sistema de escoamento de chuva no telhado do galpão: https://www.youtube.com/watch?v=dLdP7Mnr0CQ).)

Ou seja, atividade de armazenagem e controle de estoque é uma tarefa complexa e crítica, que se mal executada, pode comprometer a sobrevivência da empresa. Mas se feita com competência, é um processo que pode se tornar um grande diferencial.

Se por um lado uma má gestão de estoque pode comprometer toda a empresa, uma boa gestão pode ser um grande diferencial competitivo e por isso otimizar processos é um fator importante para qualquer empresa.

O primeiro ponto a ser considerado para se praticar boas políticas de armazenagem e estoque é possuir um bom sistema de gestão. Um bom sistema WMS por exemplo é um excelente caminho. Ele permite automatizar diversas tarefas, calcular estoques de segurança, emitir SKUs e controlar produtos através deles, bem como otimizar espaços de armazenagem.

Outro grande fator é usar políticas de logística integrada que permitam que os diversos setores da empresa troquem com o estoque informações importantes, como previsão de grandes saídas através de promoções ou parcerias, compras de oportunidade, ciclos de maior ou menor fluxo de produtos e demais dados que possam ser usados para que o estoque defina espaços, quantidades e frequência de reposição.

Outras questões, como estoque decentralizado, instalações apropriadas e segurança especializada também são importantes nesse processo. São soluções que para implementação demandam investimentos, mas que se bem feitas trazem retorno e permitem o crescimento da empresa de forma estruturada.

Dado esse alto grau de complexidade, muitas vezes se torna mais interessante terceirizar a gestão de estoque e armazenagem, contratando um parceiro que possa entregar uma solução escalável sob demanda, que ajude a implementar boas políticas com custo aceitável e ao mesmo tempo garantir uma expansão que acompanhe o crescimento da empresa.

A TRB possui estrutura e experiencia para otimizar processos de armazenagem e estocagem, diminuindo custos e aumentando a produtividade e a satisfação dos clientes.